Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Os Poetas Elétricos

UM PROJETO COADJUVANTE QUE VIROU PROTAGONISTA

Edu Gomez e eu - Os Poetas Elétricos by Renan Rego.

Nascemos de um universo paralelo, à margem da nossa banda de rock na Natal dos anos 90. O projeto tinha mais subjetivos que objetivos ao misturar livremente música e poesia.
Durante a época noventista da banda Modus Vivendi, eu e Edu Gomez fizemos algumas gravações experimentais nas madrugadas, participamos de alguns recitais elétricos… E fomos para a mata e a fermata.
Em 1999 o Modus Vivendi acabou, e depois de um exílio da cena poptiguar nos reencontramos na chamada síndrome da abstinência artística. Voltamos ao fazer poético-musical em 2003 quando resgatamos o projeto kamiquase perdido transformando-o em projétil lançado em disco voador em 2004, assumindo o nome Os Poetas Elétricos e colocando como título do cd o nome do projeto original (“Poemas Eletri-ficados & outros que foram embora”).

Capa do primeiro CD d'Os Poetas Elétricos (arte de Gabriel Novaes e Agência Pandora).

Lançamento do primeiro CD d'Os Poetas Elétricos no Bar Beleléu em Natal (Papary Jazzy Festival 2004)

O primeiro CD conta ainda com algumas participações “espaciais”: Jorge Lima (percussão) em A Sina de Ina; Michele Régis (vocal) em A Sina de Ina e Lago Gente; Junior Primata (baixo) em Cínico Clínico e Ofício, Rogério Pitomba (bateria) em Cínico Clínico, Ana Paula Cadengue (voz) em Cínico Clínico e Zack Glass (“radio songs”) em Gina.

REPERCUSSÃO E SEGUNDO CD
Iniciamos esse projeto com total liberdade e certa despretensão: só queríamos agradar a nós mesmos! Mas tivemos uma ótima recepção da crítica e público.

Michelle e eu no show "O Vazio Fértil" - Casa da Ribeira, 2005, Projeto Cosern Musical (Foto de Kênia Castro).

Com os recitais-shows de divulgação do primeiro CD, Michelle Régis passou a ter uma participação mais intensa no projeto, além de participar das apresentações também participou do processo criativo do segundo CD, cujo início de composição coincidiu com a época pré-show d’Os Poetas Elétricos no Cosern Musical em 2005. Quando fomos selecionados para o Cosern Musical, Michelle teve uma participação ainda maior no processo de concepção do espetáculo e no show em si. A partir daí, diante da afinidade artística e química natural, o grupo virou cada vez mais uma “dupla de três”, e Michelle entrou oficialmente no projeto lítero-musical, sendo “a terceira pessoa do plural”.

Banner de divulgação do show d'os Poetas Elétricos no Cosern Musical 2005 (Fotos de Giovanni Sérgio e arte de Kênia Castro).

Com o projeto “O VAZIO FÉRTIL” criado especialmente para a apresentação no Cosern Musical na Casa da Ribeira (onde pudemos explorar com muito mais força e recursos a linguagem cênica), iniciamos de forma mais sistematizada a criação do segundo CD “ESTIRADO NO ESTIRÂNCIO (Ou Sol Sem Sombra de Dúvidas)”. No momento anterior ao Cosern Musical, adquirimos uma parafernália eletrônica “em busca da batida perfeita” (ou mais adequada) para nossos objetivos, direcionando cada vez mais o trabalho para esse caminho também nas apresentações ao vivo.

Capa do segundo CD d'Os Poetas Elétricos - "Estirado no Estirâncio ou Sol Sem Sombra de Dúvidas" (arte de Gabriel Novaes).

O grupo se dedicou de forma ainda mais intensa no segundo CD, dando continuidade ao experimentalismo e à espontaneidade do primeiro, e ainda redobrando os cuidados com a concepção do disco e com as gravações. Para nós, o resultado é uma mistura intrigante e diferente não só de música e poesia, mas também uma mistura entre o experimental e o pop. No segundo CD, exploramos mais a melancolia e o lirismo, sem perder o humor que faz do jogo lúdico uma marca registrada do trabalho do grupo; assim como também há bastante espaço para batidas dançantes somadas ao clima intimista que vem desde o disco anterior.

A NOVA FASE E O TERCEIRO CD
Em 2010 Michelle saiu do projeto e o grupo voltou a ser dupla que agora se encontra em fase de finalização do terceiro CD (resultado do Prêmio Núbia Lafayette). O novo disco vai se chamar “BREVES INCANDESCÊNCIAS” – marcado por poemas curtos e faixas de curta duração. Nesse terceiro CD exploramos outros “sons, outras batidas, outras pulsações”, chegando a flertar com o samba e a “nordestenidade” (e até com a música árabe), ainda que sempre de forma espontânea, inusitada e experimental. Com algumas participações muito especiais (como a da cantora Simona Talma), Os Poetas Elétricos se aproximam ainda mais da música, mas sem perder a poesia jamais, sempre entendendo poesia também como atitude, postura, atmosfera…

E AGORA JOSÉ, PRA ONDE?
Música eletrônica (ou ele-Crônica), banda orgânica, ou formato guitarra e voz? Tudo vale! Os Poetas Elétricos estão sempre experimentando – tanto em estúdio quanto nas apresentações ao vivo. Ao vivo Os Poetas Elétricos já contaram com a participação da bailarina Aliana Maia, dos VJs Júlio Castro e Rafael Beznos, os DJs Gabriel Souto e Rafael Telles, e ainda com o suporte de outros músicos como Antônio de Pádua (trompete e pandeiro), Junior Primata e Miguel Sampaio (baixo), Juliana Gonçalves (bateria e efeitos eletrônicos), Diego Brasil (guitarra), e Rogério Pitomba (bateria). Agora estamos curtindo uma experiência mais crua, nos apresentando somente com guitarra e voz, descobrindo as várias nuances e possibilidades que esse formato proporciona.

MISTURANDO CONCEITOS SEM PRECONCEITOS
O grupo continua misturando vários conceitos sem preconceitos (poesia sonora, poesia declamada, poesia musicada, poesia concreta, arte abstrata, vinheta, trilha sonora, música experimental e música pop, por exemplo), onde o mais importante é a total liberdade no diálogo entre o som e a palavra.
Pluralismo, multilinguagem, neologismos, aliterações, trocadilhos e outras invencionices não apitam falta no jogo lúdico entre o som e a palavra. Poesia sonora ou música experimental de ares rockers? Buscamos e rebuscamos um diálogo entre o experimental e o pop. Crônicas irônicas e líricas satíricas, palavras t(r)ocadas e músicas fal(h)adas… O falo e o calo… não temos estilo, temos estalo!

Cartaz do show de lançamento da Rede Potiguar de Música (Casa da Ribeira, maio de 2010).

OBS.: Os Poetas Elétricos também participaram da performance DEVORANDO FAUSTO, do diretor teatral Marcos Bulhões, cujo espetáculo foi filmado no Forte dos Reis Magos em Natal, em 2008, onde a banda tocou ao vivo, participando da trilha sonora original da montagem. O grupo também realizou a composição e gravação da vinheta-tema do programa de televisão ROSA CHOQUE do Coletivo Leila Diniz, participou da Feira de Livros de Mossoró, da Feira de Música de Fortaleza, e em Natal participou dos festivais MADA e DOSOL, já se apresentou no Colégio Ciências Aplicadas, sempre participa das comemorações do Dia da Poesia, fez temporada de shows no extinto Budda Pub e realizou em maio de 2o1o um pocket-show mais intimista no lançamento da Rede Potiguar de Música na Casa da Ribeira, e também recentemente na SBPC (nesse formato mais cru, somente com guitarra e voz). Depois de lançar o terceiro CD no primeiro semestre de 2011, realizaremos a gravação de um DVD em data a ser definida.


Os Poetas Elétricos no pocket-show da SBPC 2010 - Tenda Prosa Poética - UFRN (Foto de Auridan Trindade).

Feed RSS

Arquivos

Leia também

  1. Adriana Karnal – Poemas
  2. Ailton Medeiros
  3. Alex Medeiros
  4. Alice Ruiz
  5. ananomundo
  6. Antonio Cicero
  7. Antonio Miranda
  8. Arnaldo Antunes
  9. Arnaldo Baptista
  10. Arrigo Barnabé
  11. Arthur Nestrovski
  12. As palavras têm sabor
  13. Atire no Dramaturgo
  14. Aventuras do Hammer
  15. Balaio Porreta 1986
  16. Bar do Bardo
  17. Bicho Esquisito
  18. Bloco de Notas
  19. Blog de Bordo
  20. Bruna Beber
  21. Cabelos de Sansão
  22. Caminhar
  23. Canto de Página
  24. Carla Bruttini
  25. Carlos Reichenbach
  26. Casa das Musas
  27. Cefas Carvalho
  28. Cep 20.000
  29. Chacal
  30. Climerio Ferreira
  31. Contracampo
  32. Coquetel Molotov
  33. Cosmunicando
  34. Cronópios
  35. Da lama ao caos
  36. Descobertura
  37. Diário do Tempo
  38. diariodoimproviso
  39. Digestivo Cultural
  40. Disruptores
  41. Dissonancia
  42. DoSol
  43. E, Terna Luz
  44. Edu Gomez
  45. Ellenismos
  46. Em Palavras
  47. Escritoras Suicidas
  48. Escritos de Ada
  49. Escritos de Alice N.
  50. Escrituras Sangradas
  51. Espelunca
  52. Esto no es una revista
  53. EU VOU!
  54. ex-Socialistas, ex-Sociólogos, ex-Sociopatas
  55. Fabrício Carpinejar
  56. Férias no inferno
  57. Fernando Catatau
  58. FFF
  59. Flávio Freitas
  60. Flor de Craibeira
  61. Franklin Jorge
  62. Frederico Barbosa
  63. Gabriel Novaes
  64. Grande Ponto
  65. Grupo Casarão de Poesia
  66. I Poeti Nomadi
  67. Jorge Mautner
  68. Lado (R)
  69. Lama Fértil
  70. Leonardo Sodré
  71. Loba
  72. Lume Filmes
  73. Luz de Luma
  74. Macário Campos
  75. Mad Dogs
  76. Marcelo Rubens Paiva
  77. Mário Ivo
  78. Maternidade do Texto
  79. Metamorfraseando
  80. Mudernage
  81. Mundo Fantasmo
  82. Museu de Tudo
  83. MUSEU VIRTUAL ABRAHAM PALATNIK
  84. Musica Potiguar Brasileira
  85. Nalva Melo Café Salão
  86. NaReDe.com/Civone
  87. Nariz de defunto
  88. Nicolas Behr
  89. O Carapuceiro
  90. O Fiasco
  91. O Inimigo
  92. o refúgio – sandra camurça
  93. O Teorema da Feira
  94. Obra-Total
  95. Os Poetas Elétricos
  96. Pablo Capistrano
  97. Paraíso Perdido
  98. Parece que foi assim
  99. Péricles Cavalcanti
  100. Plog
  101. Poema/Processo 1967
  102. poesia concreta
  103. Poesia Sim
  104. Poetas azuis paixões vermelhas amores amarelos – Blog de Jóis Alberto
  105. Poni Micharvegas
  106. Portal Rock Potiguar
  107. Potiguarando
  108. Putas Resolutas
  109. Querido Bunker
  110. Rede Potiguar de Música
  111. Revista Catorze
  112. Rita Machado
  113. Romério Rômulo
  114. Sebo Vermelho
  115. Senhor F
  116. SIBILA
  117. Simona Talma
  118. Suave Coisa
  119. Substantivo Plural
  120. Tanto Mar
  121. território potiguar
  122. Toca do Centauro
  123. Todas as palavras merecem um lugar
  124. Tom Zé
  125. Torquato Neto
  126. Uma Casa em Beirute
  127. uma historia à margem
  128. Umas & Outras
  129. UNS & UNHAS
  130. Vanessa Campos Rocha
  131. Versos deLírios
  132. Versos Poti
  133. Virada num Traque
  134. Viviane Mosé
  135. Vocabulário da Raça
  136. Zumbi escutando blues
  1. blog
  2. biografia
  3. modus vivendi
  4. os poetas elétricos
  5. vídeos
  6. na mídia
  7. contato

© Copyright 2010 design by DZ3. Todos os direitos reservados.