Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Modus Vivendi

FLUIDOS E MODUS VIVENDI

Para falar sobre a banda de rock Modus Vivendi tenho que falar antes sobre o grupo de rock Fluidos. Não sei se sou uma espécie de dinossauro da cena rock potiguar como algumas pessoas dizem, mas segue abaixo um pouco da minha pré-história musical.

FLUIDOS
Um pouco da sua História

Essa é apenas uma parte da história do Fluidos. Do Fluidos que eu vivi.

O Fluidos foi criado no ano de 1982 em Natal – RN, por mim, Manoca, e Bob Crazy, amigos que moravam próximos um do outro nos bairros de Petrópolis e Tirol, e que tinham em comum a paixão pelo rock e pela música em geral. O Fluidos passou por algumas formações, onde participaram ainda músicos como Marcelo Bruce, Saulo Coveiro e Eduardo Pindoba, até encontrar uma maior definição com Carito (vocal), Manoca (guitarra e vocal), Bob Crazy (baixo e backing), Ricardo Tadeu (teclados e vocal), e  Fernando Suassuna (bateria).

A banda só veio “acontecer” mesmo na cidade no ano de 1984, com uma série de shows mais significativos, causando a ampliação do público, com certo sucesso e reconhecimento local. O Fluidos também tocou no interior, na cidade de Açu, algo pioneiro e desbravador para a época.

Antes disso, o grupo fez uma série de shows “caseiros” para um público, em sua maioria, ligado ao surf. A falta de recursos não desestimulou o grupo – ao contrário, todo o desafio era uma deliciosa aventura. A primeira distorção foi inventada por um amigo – Gerardo – também meio membro da banda: a guitarra era conectada em um equipamento “3 em 1”  e o seu som saía distorcido em um headphone. Depois, esse mesmo “engenheiro de som” desenvolveu uma distorção “de verdade”, embora artesanal. Durante certo tempo, Bob Crazy tocou o baixo em uma guitarra, enquanto Ricardo Tadeu arrancava sons psicodélicos de um teclado quase de brinquedo. Um dos shows mais bem representativos da banda, ainda na fase inicial, foi em uma casa na praia de Pirangi do Norte – o público compareceu em peso, e o equipamento foi alugado de um grupo de baile e levado junto com os membros do Fluidos em um caminhão.

Fluidos - Show na Praia de Pirangi (1984)

As primeiras reuniões e gravações experimentais aconteceram na casa dos meus pais. Depois, os ensaios com o grupo completo passaram a acontecer na casa dos pais de Manoca e Fernando, onde mais tarde foi construído um quarto específico para os ensaios. O Fluidos também costumava ensaiar em casas de praia de veraneio, no período mais calmo, de baixa estação, para evitar as reclamações dos familiares e vizinhos da cidade, por causa do barulho causado pelos ensaios. Pirangi, Cotuvelo e Genipabu, foram algumas dessas praias.

Da esquerda para direita: Manoca, eu, Fernando Suassuna e Bob Crazy - Ensaio do Fluidos em Genipabu (1984).

Com o tempo, o grupo foi buscando o profissionalismo, adquirindo melhores instrumentos e equipamentos, fazendo shows com uma produção sempre bem cuidada – cartazes, panfletos, slides, figurinos, iluminação, gelo seco, etc.

O Fluidos fazia suas próprias músicas – antes de fazer suas músicas em português, começou fazendo as músicas em inglês até assumir sua identidade dentro do chamado “rock brasileiro”. O Fluidos se auto-denominou inicialmente de “Grupo Primário de Som Livre”, e depois: “Grupo de Rock Alternativo”. O som do grupo era muito influenciado pelos grupos de rock dos anos 70, onde o rock progressivo e o hard rock reinavam. Rush, Led Zeppelin, Pink Floyd, Yes… e depois Marillion, foram algumas influências da banda. Músicas longas e instrumentais eram a tônica do momento. Mas não parou por aí – o Fluidos chegou a tocar músicas de grupos diversos como Os Novos Baianos, O Peso (grupo de hard rock brasileiro dos anos 70), Raul Seixas, The Who, etc. Em um certo momento, as musicas autorais do grupo receberam influências da New Wave ao Heavy Metal, passando pelo Progressivo.

Nessa época, o grupo chegou a gravar uma fita demo, no estúdio de Tony Som, contendo 02 instrumentais e 02 músicas cantadas – entre elas, o “hit parade” do grupo: “Hey Baby”, uma balada pesada e melódica, que rapidamente foi assimilada por todos. Antes disso, os registros sonoros se resumiam a gravações de ensaios e shows em equipamentos primários.

Eu e Manoca, gravando no estúdio Tony Som (1985)

Cronologicamente, o Fluidos surgiu depois do Alcatéia Maldita e Gato Lúdico, foi contemporâneo do Cabeças Errantes, e antecedeu ao Cantocalismo e ao Modus Vivendi (banda inicialmente derivada do Fluidos).

Eu e Bob Crazy. Fluidos em dois momentos em 1984: na Praia dos Artistas (acima) e em Pirangi do Norte (abaixo).

Shows como o do Festival de Artes no Forte dos Reis Magos, da Praia dos Artistas em um campeonato de surf, do Centro de Turismo (esses em 1984), da danceteria do América, do Festival da Juventude na Cidade da Criança, do Festival da UFRN (esses em 1985), marcaram a história do grupo. O grupo ganhou esse Festival de Música da Universidade em 1985 com a música “Nuclear”, onde Manoca trocou a guitarra por um violoncelo e eu fiz uma performance vestido de caveira com cartazes de protesto. Essa música causou muita polêmica, pois muitos integrantes do juri não aceitaram a presença de um instrumento clássico em uma balada de rock, como também não simpatizaram com o tema da música, pois para eles, “esse não era um tema de nosso país”, que fugia a nossa regionalização. Nesse mesmo festival, o grupo também interpretou uma música do saxofonista Marquinhos, contracenando com um naipe de metais. A música se chamava “Síndrome de Peter Pan”, a qual cantei vestido do personagem. No final da música, em uma atitude irreverente para a época, perguntei: “o juri também canta”? A professora Clotilde Tavares fazia parte do juri e rompeu com as normas, cantando conosco o refrão. No show da danceteria do América, um grupo de 04 artistas plásticos pintou um painel enorme no palco, enquanto o grupo tocava, durante todo o show. Dois deles, hoje em dia, são profissionais de renome na cidade de Natal: o artista gráfico Afonso Martins e o artista plástico Flávio Freitas.

Fluidos no Centro de Turismo - Show "Na Trilha do Sol" (1984).

No final de 1985 saí do Fluidos e criei o Modus Vivendi. No dia 01 de maio de 1986, o Modus fez seu primeiro show, no Centro de Turismo, durante um Encontro Regional dos Estudantes de Comunicação… Mas essa é uma outra história… Ou a continuação dessa…

No primeiro semestre de 1986, o Fluidos foi para o Rio de Janeiro com Mário Henrique Araújo no vocal, fez alguns shows, e gravou um compacto simples, fazendo um som mais leve, dentro de um estilo mais pop. No mesmo ano o grupo sofreu um acidente de carro. Depois de alguns meses, seus integrantes voltaram para Natal e foi anunciado o fim do grupo. Logo em seguida, em 1987, o baterista Fernando Suassuna juntou-se ao Modus Vivendi. Depois de longos anos no Modus Vivendi e também trabalhando com outros músicos, incluindo uma temporada na Itália – Fernando toca no Mad Dogs e é proprietário da produtora “Sucesso”, de jingles e trilhas sonoras. O tecladista Ricardo Tadeu deu sequência as suas atividades de bancário. O vocalista da segunda fase do grupo, Mário Henrique Araújo, continuou trabalhando na UFRN e desenvolvendo atividades de música e poesia. O baixista Bob Crazy ainda tocou um tempo com o Cabeças Errantes, depois tornou-se psicultor, e hoje mora em Pium e trabalha com jardinagem e aquários. Em novembro de 2007 Bob Crazy voltou aos palcos, fazendo um show histórico na Casa da Ribeira. Eduardo Pindoba é alto funcionário do Sebrae. Manoca foi estudar música no Rio de Janeiro, e quando voltou, seguiu uma carreira de músico de jazz e professor da Escola de Música da UFRN, atividades que desenvolve até hoje, sendo uma forte referência na música do estado.

* * *

MODUS VIVENDI
Tenha Modus! Vivendi e aprendendo…

Modus Vivendi no Centro de Turismo em 1986 - Show de lançamento da banda: TENHA MODUS! (Foto de Flávio Américo Novaes).

Histórico:

A banda de rock natalense Modus Vivendi (do latim “Modo de Viver”) foi criada em 1986, derivada do Fluidos. No final de 1985 saí do Fluidos e formei o Modus Vivendi com Alexandre Miúda na guitarra, Nelson Benevides nos teclados, Eric Firmino no baixo e Lênio Santos na bateria. Essa foi a primeira formação e a partir daí a banda passou por inúmeras formações ao longo de mais de 13 anos de atividades. Em certo momento, o Modus chegou a ter 02 bateristas, com performances das duas baterias sendo tocadas simultaneamente. Em outras formações teve 02 guitarristas, percussionista, saxofonista, tecladista, baixista… chegando a ter 07 integrantes. Nos últimos anos de existência, a banda enxugou sua “máquina” com 04 integrantes, numa proposta de um som mais compacto e forte, com: Carito no vocal, Edu Gomez na guitarra, Fernando Suassuna na bateria e Dudu Talfic no baixo sintetizado e teclados. Em meados dos anos 90, foi um dos ganhadores do “I Festival da Nova Música do Nordeste” no Palácio dos Esportes. O Modus Vivendi teve seu projeto de CD aprovado no Profinc, mas teve seu sonho interrompido com o fim do mesmo. Em 1998 apareceu em rede nacional no programa “Palco” da MTV, com outras bandas locais, e realizou suas últimas apresentações na Boate “A Lata”, no bar “Bimbos”, e na festa do Halloween do Albergue Lua Cheia. No final de 1999, estando o Modus cada vez mais funcionando como uma banda sazonal, eu assumi em nome da banda o fim do Modus Vivendi, e enviei um comunicado à imprensa potiguar sobre o fim das atividades do grupo, funcionando também como uma espécie de manifesto reflexivo sobre aquele momento musical da cidade.

Modus Vivendi no Bar Ponto Cruzado em 1986 (na foto: Erick e eu).

Modus Vivendi em Mossoró - Boate Rastafari, 1987 (na foto: eu, Miúda e Nelson).

Modus Vivendi em 1988 no Bar Chernobyl - Show "Bartô no Beco" (na foto: eu e Edu Gomez).

Modus Vivendi, 1990, show na zona norte de Natal (na foto: Neemias Lopes e eu).

Temáticas abordadas:

Como a maioria das bandas nascidas nos anos 80 em Natal, o Modus sempre fez seu próprio som – a maioria do repertório era sempre de músicas da própria banda, estando as releituras e homenagens em menor quantidade. Sendo reflexo de uma realidade urbana, as letras da banda falavam da geração dos seus integrantes, tendo uma postura crítica, às vezes irônica, conjugando muitas vezes humor e amor, irreverência, poesia e ritmo. Com os sentimentos à flor da pele, mostrou uma Natal jovem, densa, noturna e antropofágica. A maioria das letras é minha. Em termos de música, a maioria das composições foi feita na parceria “Carito / Edu Gomez”. Com a nossa parceria cada vez mais “azeitada”, eu e Edu criamos um projeto paralelo, que explorava o diálogo da palavra com o som (“Poemas Eletri-Ficados e outros que foram embora”, depois transformado n’Os Poetas Elétricos). Na fase inicial, o baixista Eric escreveu e compôs algumas canções. E sempre houve uma ou outra música de algum integrante da banda (Miúda escreveu e compôs “Bocas de Licor”; Nelson compôs alguns instrumentais; Edu Gomez escreveu e compôs “Não Sou Mais o Mesmo”, etc.). A banda também chegou a receber uma ilustre colaboração: a letra de “Só”, do poeta e jornalista Carlos Magno Fernandes.

Modus Vivendi em 1990 em Pium, no show "A volta de Bartô ao século XXI" (na foto: Ilo Tonel e eu).

Modus Vivendi, na primeira metade dos anos 90, nessa formação, da esquerda para a direita: Eder Fofão (percussão), Carlinhos Suassuna (guitarra), Sílvio Boy (bateria), Ilo Tonel (baixo), eu (vocal), Neemias (sax) e Edu Gomez (guitarra).

Modus Vivendi, 1994, show "PsicoBélico", Bar do Buraco.

Modus Vivendi, 1995 (da esquerda para direita: Fernando Suassuna, Edu Gomez, eu e Dudu Talfic).

Influências:

Resultado da influência de muitos membros que passaram pela banda, e dos longos anos de atividades, o Modus Vivendi sofreu influências diversas passando por várias fases e vários estilos. No início, o som da banda soava mais pop e até ingênuo, como a maioria das bandas dos anos 80, embora tenha sofrido também influência dos anos 70 – como o rock progressivo. Nessa época, pode-se dizer que o Modus fazia um som pop e melódico. Era comum haver durante os shows alguns instrumentais e climas “setentistas”, embora que os shows terminassem sempre “pra cima” com a platéia dançando. Mas foi uma época de muita “audição” – o Modus fez vários shows antológicos no Teatro Alberto Maranhão, com um público altamente significativo, que ia aos shows do Modus para “prestar atenção” na banda, no seu som (ouvir as músicas do grupo), nas suas performances e na produção. Com a entrada de Edu Gomez em 88, a banda incorporou elementos mais modernos, chegando a flertar com o hard-funk, e apontando seu som para outra estética musical. No início dos anos 90, a banda incorporou cada vez mais o rock and roll básico, fazendo um som cada vez mais agitado e dançante. Nessa época, a banda passou por uma formação de jovens músicos que renovaram o Modus. Foi uma fase de shows marcados por muita festa, muita energia, muita celebração com o público. O Modus foi cada vez mais se distanciando de espaços maiores como teatros e festivais, e se adaptando à nova época de fazer shows mais viscerais em espaços pequenos como barzinhos. No fim dos anos 90, a banda já estava com um som mais moderno, quebrado e pesado, flertando cada vez mais com a poesia. Uma característica do som da banda presente em todas as fases é, como chamávamos na época, a “música trabalhada” – o Modus sempre se preocupou em fazer um som com muito cuidado, com arranjos arrojados e muitos ensaios, fazendo muitas experiências e desenvolvendo um som próprio independente de modismos. Outra característica sempre presente foi a de um som pulsante, sempre pulsante!

Capa do programa do show do Modus Vivendi "Vida e Obra de Bartô" - Projeto Espaço Aberto, Teatro Alberto Maranhão, 1988 (Da esquerda para a direita: Paulo Milton, eu, Edu Gomez e Miúda - e Fernando Suassuna ao fundo).

Modus Vivendi, 1990, show durante um campeonato de surf na Praia de Ponta Negra (na foto: os guitarristas Carlinhos Suassuna e Edu Gomez).

Modus Vivendi, 1988, Bar Chernobyl (Fernando Suassuna, eu e Edu Gomez).

Capa do programa do show do Modus Vivendi "Reclames da TV" (Bar Ponto Cruzado, 1986)

Modus Vivendi, 1994, Bar do Buraco (Edu Gomez, eu e Paulo Sarkis).

Eu no show do Modus na Boate A LATA, em 1998 (foto de Mário Ivo).

Os shows:

O Modus tocou em teatros, festivais, ginásios, boates, bares, espaços ao ar livre… e fez shows por vários outros lugares além de Natal, como Mossoró, Caicó, João Pessoa, Campina Grande e Pipa. O primeiro show da banda (“Tenha Modus”) foi em 1986, em um Congresso dos Estudantes de Comunicação da UFRN, no pátio do Centro de Turismo, junto com a banda Cantocalismo. Os shows da banda sempre foram marcados por muita seriedade e responsabilidade, por uma forte preocupação estética e profissional – desde a luz e som, a figurinos, adereços, programas, slides, cenários, performances, participações especiais de outros músicos convidados, bailarinos, etc. A banda, inúmeras vezes, produziu seus próprios shows, atingindo grandes platéias. Além de shows conceituais, o Modus também lançou alguns projetos como o “Undercovers” e “O Peso Ideal”, ambos projetos de releituras e homenagens a grandes nomes do pop rock nacional e internacional de todos os tempos, reunindo “a nata” do rock local da época, com muitas participações de músicos de outras bandas da cidade. Com essa proposta de trabalho, e devido a inúmeras dificuldades, a banda trilhou o caminho da qualidade em vez da quantidade, fazendo de cada show um grande concerto, um grande evento, uma grande festa; com uma forte divulgação e com tudo registrado em cartazes, panfletos, programas… e com um forte apoio da imprensa local, que sempre reconheceu e valorizou o trabalho do Modus. Em 2003 a banda se reencontrou para participar do Mada e fez seu último show.

Dudu Talfic, Fernando Suassuna, Edu Gomez e eu - em foto para o MADA 2003.

Modus Vivendi no show "Bocas de Licor", Teatro Alberto Maranhão, 1987 (da esquerda para a direita: Alexandre Miúda, eu, Erick Firmino e Nelson Benevides, com Fernando Suassuna ao fundo).

Alguns outros shows de destaque: “Bocas de Licor” no Teatro Alberto Maranhão, com uma grande produção (produção independente de 1987); Festa de Santana de Caicó, na AABB (1987);  “Vida e Obra de Bartô” (Projeto Seis e Meia, 1988); “A Volta de Bartô ao Século XXI (na beira do rio de Pium, junto com o “Cabeças Errantes”, 1990); Show para um campeonato de surf na beira da Praia de Ponta Negra, 1991); 02 aberturas de verão na Praia de Pirangi; Show de encerramento de uma colônia de férias na Zona Norte (Conjunto Panatis II); “Cantos e Barrancos” e “PsicoBélico” (ambos no Bar do Buraco); Aberturas de shows do Biquini Cavadão (várias vezes) e João Penca e Seus Miquinhos Amestrados; “O Um e os Muitos” no Bar da Bandeiras; “Sabotagem” (Projeto Seis e Meia, T.A.M, 1995); “A Rota dos Rótulos” no Casarão da Ribeira, 10 anos de Modus Vivendi (1996); “Modus na Lata” (Boate “A Lata”, 1998)… ENTRE MUITOS OUTROS!!! O Modus também participou das 02 montagens da peça de teatro “A Maldição de Blackwell”, da Stabanada Cia. de Teatro, no Teatro Sandoval Wanderley. O Modus fez a trilha sonora tocando ao vivo na peça contracenando com os atores (participei como ator, diretor musical e assistente de direção).

Modus Vivendi no show "Rock no Castelo", Albergue Lua Cheia, 1996 (eu e Edu Gomez).

Chuva na bateria! Fernando Suassuna no show do Modus no castelo do Albergue Lua Cheia em 1996 (Festa Halloween).

Cartaz do show "Rock no Castelo" - Modus Vivendi e Mad Dogs (1996).

Os “hits” do Modus:

Apesar de nunca ter gravado um disco (apenas algumas fitas demo), o Modus conseguiu “emplacar” várias músicas, apenas através dos shows. Como os shows estavam sempre associados a uma linguagem teatral, os fãs associavam a música à imagem das performances, além da própria letra que fortalecia sua memorização – já que as mensagens retratavam também o que o público vivenciava e sentia na época, em um processo de identificação e interação mútua “banda-platéia”. No início da banda, as músicas mais conhecidas e cantadas pelo público eram “Bartô Tá Mal” (que chegou a ser tocada em FM local), “Reclames da TV”, “Metal Sanitário” e “Cefaléia Everyday”. Mas também havia as canções mais líricas que agradavam bastante a platéia, principalmente o público feminino, como “Bocas de Licor” e “Espelhos da Dor”. No início dos anos 90, algumas músicas mais “funkadas” como “Funk-lhe Deixe” ou a espanholada “Que Caia a Saia” despertaram a atenção do público. Mas o hit dessa época era mesmo “Só Vai dar Maluco” – um rock and roll pauleira para ninguém ficar parado, um convite à festa noite adentro. Nas últimas fases, o Modus acertou com “Não Sou Mais o Mesmo”, “Mesmice”, “Letargia”, “Sabotagem” e “Só” (essa última com letra do poeta e jornalista Carlos Magno Fernandes). “A Sina de Ina” funcionava como um poema experimental dialogando com uma música densa, caótica, numa mutilinguagem, inclusive cênica (depois ela passou a fazer parte do repertório d’Os Poetas Elétricos, estando no primeiro cd d’Os Poetas). “Sabotagem”, uma das últimas canções, já trazia bateria eletrônica programada dialogando com a bateria acústica tocada com vassourinhas típicas de jazz, num grande poema cantado quase falado, em clima de intimismo e dança ao mesmo tempo. Ironicamente, “Sabotagem” profetizou o destino da própria banda: a letra falava dos que estão “do outro lado” (“sons que não tocam no rádio, livros que não são publicados, filmes que não passam no cinema”, etc.) cujo refrão resumia: “Sabotagem / Se perder na viagem é uma grande sacanagem”. O Modus compôs mais de quarenta canções. Seus shows traziam em média 22 músicas, sendo a maioria da própria banda. Devido à necessidade de renovação e aos pedidos dos “hits”, muitas boas canções (como “Dura na Censura”, “Sopa de Aspargos”, “Rapunzel Songs”, “Cabelo” e “A Rota dos Rótulos”) se perderam no tempo, talvez estando ainda na memória daqueles que foram mais a fundo, além dos rocks mais “festivos”. A versão inusitada da música do rei Roberto Carlos (“Você não serve pra mim”), misturando rock pesado com elementos de salsa e final punk, foi outro grande momento musical da banda.

(Veja letra de “Sabotagem” abaixo)

SABOTAGEM
(Letra: Carito – Música: Edu Gomez e Carito)

SONS QUE NÃO TOCAM NO RÁDIO
LIVROS QUE NÃO SÃO PUBLICADOS
FILMES QUE NÃO PASSAM NO CINEMA
NOTÍCIAS QUE NÃO SAEM NO JORNAL
HISTÓRIAS QUE NÃO PASSAM NAS NOVELAS
POEMAS QUE NÃO SÃO RECITADOS
LUGARES QUE NÃO SÃO INDICADOS
ASSUNTOS QUE NÃO SÃO ESTUDADOS
MATÉRIAS QUE NÃO DÃO NA ESCOLA
RELAÇÕES QUE NÃO SÃO RELACIONADAS
CONHECIMENTOS QUE NÃO SÃO CIENTÍFICOS
MÁQUINAS QUE SÃO MANUAIS

ROUPAS QUE NÃO ESTÃO NA MODA
COSTUMES QUE NÃO ESTÃO EM VOGA
PRAZERES QUE AINDA SÃO TABUS
VÍCIOS QUE NÃO ESTÃO NO CÍRCULO
NORMAS QUE NÃO SÃO NORMAIS
DROGAS QUE NÃO SÃO ASSUMIDAS
MISSAS QUE NÃO SÃO ASSISTIDAS
VIDAS QUE NÃO SÃO REGISTRADAS
GÊNIOS QUE NÃO SAEM DA LÂMPADA
ALDEIAS QUE NÃO SÃO GLOBAIS
BOBOS QUE NÃO SÃO DA CORTE
TRATAMENTOS QUE NÃO SE USAM MAIS

REMÉDIOS QUE NÃO ESTÃO NA BULA
PECADOS QUE NÃO SÃO DA GULA
MELODIAS QUE SÃO DA NOITE
RITMOS QUE NÃO SÃO DO MOMENTO
NEURÔNIOS QUEIMADOS NA FOGUEIRA
MEMÓRIAS QUE NÃO ESTÃO NA HISTÓRIA
ORIGENS QUE NÃO SÃO ORIGINAIS
TOQUES QUE NÃO SÃO DE CAIXA
ADJETIVOS QUE NÃO SÃO OBJETIVOS
ANIMAIS QUE JÁ SÃO DE MENOS
LÍNGUAS QUE NÃO SÃO IDIOMAS
DIALETOS QUE NÃO SÃO PREDILETOS

SABOTAGEM…
SE PERDER NA VIAGEM É UMA GRANDE SACANAGEM!

Mais fotos – Outros momentos do Modus Vivendi:

Show do Modus Vivendi no Palácio dos Esportes - Prêmio de melhor banda no I Festival da Nova Música do Nordeste (1993).

Modus Vivendi no Bar do Buraco, 1994, show "PsicoBélico". Convidado especial: CBI.

Modus Vivendi no Bar das Bandeiras, anos 90.

Bastidores do show do Modus Vivendi no Centro de Convivência da UFRN no final de 1989. Na foto de cima: Bárbara, eu e Mário Ivo. Na foto abaixo: Eu, o saudoso amigo, poeta e cantor Délio Miranda, e nosso técnico em explosões e efeitos especiais Ricardo Gererê.

Modus Vivendi em vários momentos. No sentido horário: caminhando para o início do show na zona norte (anos 90), dando entrevista para a MTV (1998), antes do show na Boate Rastafari em Mossoró (1987), no show do Bar Ponto Cruzado (1986) e no Bar Chernobyl (1988).

Divulgação do evento reunindo os show do Modus Vivendi e Florbela Espanca e a exposição "O Ovo de Eva" de Henrique José (na Pipa, verão de 1996).

Modus Vivendi no show Psicobélico, Bar do Buraco, 1994 (eu e Paulinho Sarkis).

Panfleto de divulgação do show do Modus Vivendi no Teatro Alberto Maranhão em 1988 (Da esquerda para a direita: Fernando Suassuna, Edu Gomez, eu, Paulo Milton e Alexandre Miúda).

Erick e eu no show do Modus Vivendi no Bar Ponto Cruzado, 1986.

Edu Gomez e eu durante entrevista do Modus Vivendi para a MTV, final dos anos 90.

Feed RSS

Arquivos

Leia também

  1. Adriana Karnal – Poemas
  2. Ailton Medeiros
  3. Alex Medeiros
  4. Alice Ruiz
  5. ananomundo
  6. Antonio Cicero
  7. Antonio Miranda
  8. Arnaldo Antunes
  9. Arnaldo Baptista
  10. Arrigo Barnabé
  11. Arthur Nestrovski
  12. As palavras têm sabor
  13. Atire no Dramaturgo
  14. Aventuras do Hammer
  15. Balaio Porreta 1986
  16. Bar do Bardo
  17. Bicho Esquisito
  18. Bloco de Notas
  19. Blog de Bordo
  20. Bruna Beber
  21. Cabelos de Sansão
  22. Caminhar
  23. Canto de Página
  24. Carla Bruttini
  25. Carlos Reichenbach
  26. Casa das Musas
  27. Cefas Carvalho
  28. Cep 20.000
  29. Chacal
  30. Climerio Ferreira
  31. Contracampo
  32. Coquetel Molotov
  33. Cosmunicando
  34. Cronópios
  35. Da lama ao caos
  36. Descobertura
  37. Diário do Tempo
  38. diariodoimproviso
  39. Digestivo Cultural
  40. Disruptores
  41. Dissonancia
  42. DoSol
  43. E, Terna Luz
  44. Edu Gomez
  45. Ellenismos
  46. Em Palavras
  47. Escritoras Suicidas
  48. Escritos de Ada
  49. Escritos de Alice N.
  50. Escrituras Sangradas
  51. Espelunca
  52. Esto no es una revista
  53. EU VOU!
  54. ex-Socialistas, ex-Sociólogos, ex-Sociopatas
  55. Fabrício Carpinejar
  56. Férias no inferno
  57. Fernando Catatau
  58. FFF
  59. Flávio Freitas
  60. Flor de Craibeira
  61. Franklin Jorge
  62. Frederico Barbosa
  63. Gabriel Novaes
  64. Grande Ponto
  65. Grupo Casarão de Poesia
  66. I Poeti Nomadi
  67. Jorge Mautner
  68. Lado (R)
  69. Lama Fértil
  70. Leonardo Sodré
  71. Loba
  72. Lume Filmes
  73. Luz de Luma
  74. Macário Campos
  75. Mad Dogs
  76. Marcelo Rubens Paiva
  77. Mário Ivo
  78. Maternidade do Texto
  79. Metamorfraseando
  80. Mudernage
  81. Mundo Fantasmo
  82. Museu de Tudo
  83. MUSEU VIRTUAL ABRAHAM PALATNIK
  84. Musica Potiguar Brasileira
  85. Nalva Melo Café Salão
  86. NaReDe.com/Civone
  87. Nariz de defunto
  88. Nicolas Behr
  89. O Carapuceiro
  90. O Fiasco
  91. O Inimigo
  92. o refúgio – sandra camurça
  93. O Teorema da Feira
  94. Obra-Total
  95. Os Poetas Elétricos
  96. Pablo Capistrano
  97. Paraíso Perdido
  98. Parece que foi assim
  99. Péricles Cavalcanti
  100. Plog
  101. Poema/Processo 1967
  102. poesia concreta
  103. Poesia Sim
  104. Poetas azuis paixões vermelhas amores amarelos – Blog de Jóis Alberto
  105. Poni Micharvegas
  106. Portal Rock Potiguar
  107. Potiguarando
  108. Putas Resolutas
  109. Querido Bunker
  110. Rede Potiguar de Música
  111. Revista Catorze
  112. Rita Machado
  113. Romério Rômulo
  114. Sebo Vermelho
  115. Senhor F
  116. SIBILA
  117. Simona Talma
  118. Suave Coisa
  119. Substantivo Plural
  120. Tanto Mar
  121. território potiguar
  122. Toca do Centauro
  123. Todas as palavras merecem um lugar
  124. Tom Zé
  125. Torquato Neto
  126. Uma Casa em Beirute
  127. uma historia à margem
  128. Umas & Outras
  129. UNS & UNHAS
  130. Vanessa Campos Rocha
  131. Versos deLírios
  132. Versos Poti
  133. Virada num Traque
  134. Viviane Mosé
  135. Vocabulário da Raça
  136. Zumbi escutando blues
  1. blog
  2. biografia
  3. modus vivendi
  4. os poetas elétricos
  5. vídeos
  6. na mídia
  7. contato

© Copyright 2010 design by DZ3. Todos os direitos reservados.